Terça-feira, 7 de Maio de 2013

'O que importa' (textos escolhidos) 4

No passado ano, algures entre o dia 20 e o dia 22 de junho, deu-se o evento pelo qual esperei 9 anos. O baile de finalistas.

Ainda me lembro quando ainda era um palmo de gente, que sonhava usar uns sapatos com um tacão do tamanho de um degrau de uma escada e um longo vestido. Já pensava na entrada triunfal, no cabelo arranjado e na pose para as fotografias. Tinha que ser extravagante.

Mas tudo foi diferente. Passei um dia inteiro, numa cidade a 1 hora de distância de Cinfães, à procura do vestido ideal. A minha ideia já tinha mudado. Queria algo simples, apenas com um leve pormenor que desse um pouco nas vistas, mas, acima de tudo, queria passar despercebida. Minutos antes da vinda para cá e já prestes a desistir, encontrei a peça ideal: um vestido preto, um pouco curto na opinião do meu pai, com um leve decote. Claro está, que teria de ter um pormenor: visto de trás o vestido não possuía tecido ou, como se costuma dizer, não tinha “costas”, e um pequeno laço também preto a meio das costas. Era perfeito. E foi destino, pois era o último e era o meu tamanho.

No dia do bendito evento, estive na escola todo o dia em funções de organização. Nunca pensei que organizar um simples baile de uma escola básica, fosse tão complicado e tão cansativo. Tivemos que limpar o recinto (incluindo as casas de banho – trabalho que realizei com imensa dignidade), decorar o espaço e ainda pôr as mesas para cerca de 90 convidados, para o jantar.

Perto das 16h saí do recinto escolar, para me preparar. Estiquei o cabelo apenas, vesti o vestido com o pormenor de um casaco rosa carmim, um pouco de maquilhagem e calcei umas sabrinas rasas (sem o tal tacão).

Entre uma mãe empolgada, um irmão fotógrafo e um pai observador, saí rumo ao jantar.

Estava tão nervosa que nem consegui andar direito. Queria rapidamente ver o meu par. Vinha deslumbrante! Igualmente de preto com uma gravata cor-de-rosa e com um sorriso de orelha a orelha. Com um brilho nos olhos, dançamos toda a noite. Uma memória que iremos recordar sempre.

O que importa não é darmos nas vistas por toda a excentricidade, mas sim pela simplicidade, pelo esforço e dedicação com que nos entregamos a algo. Há uma razão para nos levantarmos todos os dias e é essa razão pela qual nos devemos importar.

Problemas resolvem-se, tempestades passam, viagens acabam, mas o que importa vai estar sempre lá para nos agarrar e dar força para continuar em mais uma jornada do dia a dia.

Segue os teus sonhos e transforma-os em simples doces da tua vida.

 

MARIA INÊS CARNEIRO BARBOSA

Categorias:
publicado por CFP às 15:03
link do post | favorito
Segunda-feira, 6 de Maio de 2013

'O que importa' (textos escolhidos) 3

O que importa és tu.

Somos nós.

Aquele e o outro.

A família. Os amigos. Os vizinhos. Os desconhecidos.

Ser maior é ser inteiro com os outros.

O que importa é o respeito. A compreensão. A sinceridade.

Conhecer gentes e costumes diferentes.

Ultrapassar barreiras físicas e emocionais.

Gostar de aprender com os livros. Aprender sempre com as pessoas.

O que importa é olhar em nossa volta e perceber que somos um entre tantos.

Um entre outros que por vezes também andam perdidos.

O que importa é darmos as mãos e percorrermos esse caminho.

É amparar aquele que fica sem chão.

Cobrir o outro que perdeu o agasalho.

O que importa é sorrir e esquecer os nossos incómodos quando precisam de nós.

O que importa é que perante a vida e a morte sejamos capazes de amar.

Amar aquele que nos ilumina o mundo e aquele que precisa da nossa luz.

O que importa é a tranquilidade de um rio sereno.

O canto dos pássaros madrugadores. O pulsar da cidade.

O que importa é o beijo que damos ao acordar.

O que importa é sermos capazes de chorar, de gritar, de nos indignarmos perante a inutilidade, o vazio e o supérfluo.

O que importa é não compactuar com a violência, com a hipocrisia, com a mesquinhez e tacanhez dos homens destituídos de amor.

O que importa é a chuva e o cheiro de terra molhada.

O sol no alto alumiando a nossa vida.

 

O que importa é a liberdade de ser.

 

LUÍSA RODRIGUES

Categorias:
publicado por CFP às 13:19
link do post | favorito
Sexta-feira, 3 de Maio de 2013

'O que importa' (textos escolhidos) 2

 À RIBEIRA DA MINHA INFÂNCIA

(Este foi o grito que a minha alma me ditou no dia seguinte à catástrofe do 20 de Fevereiro de 2010 na Ilha da Madeira. Dedico-o a todos aqueles que, tal como eu, conhecem e amam a bela cidade do Funchal; e porque a catarse é necessária  em momentos de grande dor e impotência, face à fúria dos Elementos)

Quando eu era criança, vivi durante alguns anos na Rua Brigadeiro Couceiro, uma das transversais ali bem perto de ti,  Ribeira de S. João.
Uma das mais gratas recordações que eu guardo da minha infância eram as minhas idas a pé para a escola, o Colégio Princesa D. Maria Amélia. No ar fresco da manhã, descia eu a rua ao longo das tuas margens, sacola ao ombro, cheia de sonhos e de esperança num mundo melhor. Muitas vezes debruçava-me sobre o muro de pedra e observava atentamente a água cristalina lá bem no fundo do teu leito, às vezes calma, outras vezes revolta, que serpenteava sem cessar, saltando de pedra em pedra através da vegetação luxuriante, no teu percurso imparável até ao mar. O troar das tuas águas lá em baixo soava sob os meus pés e transmitia uma sensação de calma reconfortante à minha alma, antes de entrar na escola e enfrentar o dever de aprender as primeiras letras.
O tempo passou na sua marcha inexorável e a vida levou-me para outras paragens, esbatendo lentamente as memórias mais antigas. Até que um dia, paredes-meias com a rua onde eu tinha vivido os felizes anos da minha infância e perigosamente perto das tuas margens se ergueu um grande edifício de betão e vidro e uma onda de asfalto e cimento cobriu e engoliu as tuas águas. Senti como se me tivessem emparedado a alma.
Nas poucas vezes que tentei vencer a sensação claustrofóbica e penetrei nas entranhas do novo centro comercial, bem lá no fundo, muitos metros abaixo do nível da estrada, eu conseguia sentir a presença das tuas águas, mas não lograva vê-las nem ouvi-las. Aos poucos, para não ter de ser confrontada com a dor da minha cegueira e surdez, fui evitando aquela zona da cidade.
Ontem, 20 de Fevereiro, depois duma noite de tempestade, desde o conforto e segurança do meu lar, voltei a ver-te e a ouvir-te em horário nobre, com honras de estrela de televisão. Mas estavas tão alterada que mal te reconheci! Os muitos anos de cativeiro tinham-te transformado numa torrente de água furiosa e lamacenta, galgando asfalto, ferro e betão, recuperando as margens que te haviam sido roubadas e destruindo tudo à passagem, no teu percurso imparável até ao mar.
A minha cegueira e surdez estavam curadas. E embora o meu corpo, correspondendo ao apelo das autoridades, tenha permanecido na segurança do lar, a minha alma de menina, que eu julgava perdida para sempre, voou para junto de ti. Abraçámo-nos, chapinhando e brincando até à exaustão na fonte da Rotunda do Infante, que nunca parou de esguichar água lamacenta, num abraço incessante à esfera armilar no seu centro, sob o olhar austero mas complacente d’O Navegador.
Afinal, durante todo este tempo em que eu não conseguia ver-te nem ouvir-te, tu sempre estiveste ali, aguardando paciente e silenciosamente o meu despertar. Agora eu sei que o planeta não está nem nunca esteve em perigo. A arrogância, a ganância e a incúria dos homens não constituem qualquer ameaça para ti, mas sim para eles mesmos.
Bem hajas, Mãe-Terra, pelo teu poder regenerador.

 

Funchal, 21 de Fevereiro de 2010

MADALENA COSTA

Categorias:
publicado por CFP às 13:44
link do post | favorito
Quinta-feira, 2 de Maio de 2013

'O que importa' (textos escolhidos) 1

 

O QUE IMPORTA

 

“O que importa” (e “fugindo” para a 3ª pessoa do singular do verbo “importar”) é aquele que vai buscar fora do próprio país para produzir, para criar algo lhe é único. Ou seja, só faz sentido importar algo quando sabemos que não o vamos encontrar cá. Assim também aprendi que “o que importa” (vindo de “importância”) é tudo aquilo que criamos a partir de dentro com aquilo que recebemos de fora, do mundo e das pessoas, para criar algo que nos é próprio e que produzimos para o mundo, para os outros. Transformar a vida do outro com o objetivo de a melhorar. Seja em que medida for. Nem que seja para fazer despertar um sorriso. Porque aquilo que fica de cada um de nós não são os nossos atos, mas a transformação (consequência) que esses atos provocam na vida das pessoas.

Sou fadista. E descobri que canto para me sentir acompanhado e para fazer companhia aos outros. Quero que, com as minhas emoções, os outros se emocionem também. Para que ao cantar a minha história, cada um pense e veja a sua própria história. E se sinta acompanhado.

Tinha casa, conforto, amigos e cantava na terra que me viu nascer. Mas queria mais. Queria aprender mais e queria conhecer-me mais e melhor; a minha verdade. Aos 35 anos decidi deixar a minha casa, os meus amigos e os meus lugares de conforto para ir ao meu encontro: continuar a cantar.

Estive a morar em casa de amigos, dormi em sofás, almocei ou jantei sandes, cortei nas saídas, nos copos e nos cafés, sempre à procura de encontrar o que importa. Bati às portas de casas de fado, apresentei-me e arrisquei. Inscrevi-me em workshops de poesia, fiz contactos com músicos e fadistas, e cantei cantei cantei sempre o mais que pude. E quando estava triste, cantava. E quando queria desistir, cantava. E quando me apetecia sair, cantava. E quando estava sem rumo, sem saber o que fazer nem para onde ir, cantava. E quando tudo isto me causava insónias, cantava. E quando queria chorar, chorava e depois cantava. E rapidamente me transformava e ganhava forças. E todos os amigos que fui fazendo nunca me deixaram ir ao fundo: pediam-me para não desistir e cantar. Foi assim que descobri que me sentia acompanhado e voltava aos meus lugares interiores de conforto. Aquilo que tenho para dar, dou melhor a cantar. Aquilo que “importo” é o meu canto. Percebi que as coisas más e as coisas boas não duram para sempre: ficam o tempo que nós quisermos e têm a importância que nós lhes damos.

Hoje continuo a cantar. A contar cantando a minha verdade. Importo o meu canto. O que importa é cantar.

 

LUÍS MANHITA

Categorias:
publicado por CFP às 13:37
link do post | favorito

Informações e contactos

www.casafernandopessoa.pt

Morada:

Rua Coelho da Rocha, 16, Campo de Ourique 1250-088 Lisboa

Tel: 21 391 32 70

@: info@casafernandopessoa.pt

Horário: Segunda a Sábado das 10:00 às 18:00 (última entrada às 17h30)

pesquisar

Categorias

a seguir

agenda abril 08

agenda abril 09

agenda abril 10

agenda abril 11

agenda abril 12

agenda abril 13

agenda abril 14

agenda dezembro 07

agenda dezembro 08

agenda dezembro 09

agenda dezembro 10

agenda dezembro 11

agenda dezembro 12

agenda dezembro 13

agenda fevereiro 08

agenda fevereiro 09

agenda fevereiro 10

agenda fevereiro 11

agenda fevereiro 12

agenda fevereiro 13

agenda fevereiro 14

agenda janeiro 08

agenda janeiro 09

agenda janeiro 10

agenda janeiro 11

agenda janeiro 12

agenda janeiro 13

agenda janeiro 14

agenda julho 07

agenda julho 08

agenda julho 09

agenda julho 10

agenda julho 11

agenda julho 12

agenda julho 13

agenda julho 14

agenda junho 07

agenda junho 08

agenda junho 09

agenda junho 10

agenda junho 11

agenda junho 12

agenda junho 13

agenda junho 14

agenda maio 08

agenda maio 09

agenda maio 10

agenda maio 11

agenda maio 12

agenda maio 13

agenda maio 14

agenda março 08

agenda março 09

agenda março 10

agenda março 11

agenda março 12

agenda março 13

agenda março 14

agenda novembro 07

agenda novembro 08

agenda novembro 09

agenda novembro 10

agenda novembro 11

agenda novembro 12

agenda novembro 13

agenda novembro 2013

agenda outubro 07

agenda outubro 08

agenda outubro 09

agenda outubro 10

agenda outubro 11

agenda outubro 12

agenda outubro 13

agenda setembro 07

agenda setembro 08

agenda setembro 09

agenda setembro 11

agenda setembro 13

agenda setembro 14

biblioteca

casa fernando pessoa

casafernandopessoa

congresso

cursos

editorial

exposição

exposições

fernando pessoa

ler agustina

lisboa cidade do livro

mensagem do desassossego

mensagem do dia

o que importa

o que importa 2013

o que importa 2014

poesia

serviço educativo

um poema de amor por dia

uma noite com pessoa

todas as tags

arquivos

Março 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

blogs SAPO

subscrever feeds